Notícias
Home » Notícias    

Setor de embalagens vazias de agrotóxicos é exemplo de logística reserva

Leia a seguir. a entrevista com João César M. Rando, presidente do inpEV

Quando foi lançado o Sistema Campo Limpo?
A iniciativa de buscar uma opção viável para a destinação das embalagens vazias de agrotóxicos partiu de algumas entidades representativas do setor agrícola e dos fabricantes de defensivos agrícolas que firmaram uma parceria no início da década de 90. A partir dessa mobilização, que ocorreu ao menos oito anos antes da legislação, os parceiros iniciaram estudos sobre o fluxo das embalagens, identificaram alternativas para sua destinação e instituíram a primeira unidade de recebimento piloto, inaugurada em 1994 em Guariba(SP).   Durante esse processo, os fabricantes identificaram a necessidade de criação de uma organização que pudesse ter foco exclusivo na gestão da logística reversa das embalagens vazias de defensivos agrícolas. Com a promulgação e regulamentação da lei (Lei 9974/00 e Decreto 4074/02) foi criado o inpEV, que entrou em funcionamento em março de 2002. Fizeram parte da fundação do instituto, 22 empresas fabricantes e 7 entidades representativas dos elos da cadeia produtiva agrícola.  Operavam no Brasil quando o inpEV passou a funcionar, 34 unidades de recebimento de embalagens vazias de agrotóxicos. A lei foi promulgada há 10 anos e tem sido amplamente difundida por meio de programas contínuos de educação e conscientização. A responsabilidade de cada elo da cadeia produtiva agrícola é conhecida e já foi incorporada à rotina da grande maioria dos participantes, como demonstram os resultados (mais de 94% das embalagens primárias* são destinadas anualmente no Brasil) e as pesquisas de mercado já realizadas pelo inpEV (mais de 85% dos agricultores afirmam lavar e devolver suas embalagens conforme a legislação).


Como as embalagens de defensivos são descartadas?
Cabe ao agricultor lavar as embalagens, armazenar temporariamente na fazenda, devolver no local indicado na nota fiscal de venda e guardar o comprovante de devolução por um ano para fins de fiscalização. Os canais de distribuição por sua vez devem indicar ao agricultor o local de devolução na nota fiscal de venda, devem dispor e gerenciar o local de recebimento, emitir comprovante de entrega para agricultores, orientar e conscientizar agricultores. A gestão de locais de recebimento e a realização de programas de orientação e conscientização de agricultores são responsabilidades compartilhadas entre comerciantes e fabricantes, sendo que os fabricantes são responsáveis pela destinação das embalagens vazias a partir de sua devolução aos locais adequados.As instituições do poder público são responsáveis por fiscalizar o funcionamento do sistema de destinação final, - emitir as licenças de funcionamento para as unidades de recebimento e apoiar os esforços de educação e conscientização do agricultor em conjunto com fabricantes e comerciantes.


O que são feitas com as embalagens descartadas?
As embalagens vazias são destinadas para a reciclagem ou incineração. São passíveis de reciclagem 95% das embalagens vazias de defensivos agrícolas (plásticas, metálicas e de papelão) colocadas no mercado. Os 5% restantes são embalagens que tecnicamente não podem ser lavadas (como embalagens flexíveis e embalagem que acondicionam produtos não miscíveis em água). As embalagens que não foram corretamente lavadas pelos agricultores também são encaminhadas para a incineração. As embalagens são encaminhadas pelo inpEV para 14 empresas parceiras, sendo 9 recicladoras e 5 incineradoras.
Atualmente são produzidos 17 artefatos por meio da reciclagem das embalagens vazias de agrotóxicos como barrica de papelão, tubo para esgoto, cruzeta de poste de transmissão de energia, embalagem para óleo lubrificante, caixa de bateria automotiva, conduíte corrugado, barrica plástica para incineração, duto corrugado, tampas para embalagens de defensivos agrícola, além da Ecoplástica Triex, a primeira embalagem produzida a partir da reciclagem de embalagens de defensivos agrícolas pós-consumo.


O que já foi recolhido nesse tempo de embalagem em toneladas?
De março de 2002 (quando entrou em funcionamento o sistema) até agosto de 2011, já foram corretamente destinadas mais de 193 mil toneladas de embalagens vazias de defensivos agrícolas.


Quais os estados que fazem parte do sistema? Qual a área agrícola coberta pelo sistema atualmente em todo o Brasil?
O Sistema Campo Limpo (logística reversa de embalagens vazias de agrotóxicos) tem atuação nacional desde quando foi publicado o decreto 4.074/02, que regulamenta a Lei Federal 9.974/00. Atualmente, o programa opera com 421 unidades de recebimento de embalagens localizadas em 25 Estados + Distrito Federal, cobrindo praticamente todas as regiões agrícolas do país.


Balanço do primeiro semestre do ano de 2011 em comparação a igual período do ano passado em volume descartado?
De janeiro a julho deste ano, o Sistema Campo Limpo (logística reversa de embalagens vazias de agrotóxicos) encaminhou para o destino ambientalmente correto 22.023 toneladas de embalagens vazias de defensivos agrícolas. Esse volume representa um crescimento de 12% em relação ao mesmo período de 2010, quando foram processadas 19.730 toneladas. Somente em julho, foram retiradas do campo 3.388 toneladas de embalagens e 93% desse material seguiu para reciclagem.


Quais os estados de maior destaque no descarte de embalagens em termos percentuais de crescimento?
No primeiro semestre de 2011, 12 Estados apresentaram crescimento no volume destinado quando comparados aos mesmos meses de 2010. Os Estados que tiveram maior destaque foram Mato Grosso (5.959 toneladas), São Paulo (2.530 toneladas), Goiás (2.356 toneladas), Rio Grande do Sul (2.061 toneladas), Minas Gerais (1.827 toneladas), Bahia (1.757 toneladas) e Mato Grosso do Sul (1.536 toneladas), que juntos respondem por 78% do volume total destinado em todo o país. Em 2010, os Estados que destinaram o volume mais expressivo foram o Mato Grosso (7.103 t), Paraná (4.716 t), São Paulo (3.612 t), Goiás (3.313 t), Rio Grande do Sul (2.839 t) e Minas Gerais (2.605 t), que juntos respondem por cerca de 80 % do volume total destinado em todo o país.


Qual foi o volume de embalagens de agrotóxicos utilizado no país em 2010 e o que foi efetivamente descartado de forma ambientalmente correta?
Em 2010 foram destinadas 31.266 toneladas de embalagens vazias de agrotóxicos. Deste total, 92% foi encaminhado para reciclagem. Esse resultado representa um aumento de 9% na destinação desse material se comparado ao ano de 2009, quando o país destinou 28.771 toneladas. Este volume representa 80% do total colocado no mercado e 94%  das embalagens plásticas destinadas da forma correta ambientalmente.







 
Declaração online de porrrogação de LO N° 681/2012-DL


Tratamento de lixo na Alemanha está entre os mais eficientes da Europa


Brasil reciclou cerca de 20% dos plásticos pós-consumo em 2010


Setor de embalagens vazias de agrotóxicos é exemplo de logística reserva


Geração de energia com resíduos sólidos


O que é preciso fazer para atender as exigências da nova lei de resíduos sólidos


Brasil aumenta em 6,8% geração do lixo, mas coleta seletiva cresce só 1,6%


Lixo vira biogás em aterro


Uma resposta aos céticos do clima


Nova lei de resíduos desperta sociedade para a importância econômica do lixo